sábado, 19 de junho de 2010

Morreu José Saramago, O Imaginador

Dizia-se das suas obras que eram difíceis. Incompreensíveis, até. E ostensivamente vermelhas. A minha mãe, que tem a antiga 4ª classe e é social-democrata, não concorda. Devorou o Ensaio sobre a Cegueira como quem segue fielmente o enredo de uma telenovela - que ela também vê.
.
Só duas coisas o podem explicar: a minha mãe é muito paciente e gosta de histórias bem imaginadas e surpreendentes.
.
A escrita de Saramago exige perseverança por parte do leitor, pois desafia os nossos modelos de leitura e joga com o nosso fio de raciocínio, recreando-se provocadoramente com as palavras. Ninguém poderá escrever como José Saramago, pois a sua palavra é tão distinta que qualquer imitação não será mais do que isso: a escrita de Saramago. Tal como reconhecemos a de Vargas Llosa, a de Ubaldo Ribeiro, a de Faulkner...
.
As histórias imaginadas por José Saramago são irrepetíveis. Todos os seus livros narram histórias quase inimagináveis. É esse o seu ponto mais forte.
.
José Saramago ficará na história da literatura universal por três obras - aquelas a que chamamos primas: o já referido Ensaio sobre a Cegueira, O Ano da Morte de Ricardo Reis e o Memorial do Convento. Porque a três histórias universais, Saramago soube aliar uma escrita irrepreensível, vivaz, sôfrega, inteira. Fechamos estes livros e sabemos que mais nada havia a contar, nem podia ser contado de outro modo. São obras completas.
.
Morreu o homem, fica o escritor.
.

3 comentários:

Carla Navio disse...

existem pessoas que ficam cá para sempre...pela sua genealidade...

Beijinhos

Dylan disse...

José Saramago não era menos português por não pôr a bandeira à janela na véspera de um evento desportivo. Acima de tudo, a sua essência era ibérica. Convém dizer que só saiu de Portugal devido à ostracização de Sousa Lara, comprovada agora com o episódio político revisionista da não presença de Cavaco Silva no seu funeral. "Viagem a Portugal" é reflexo de amor e do encantamento que sentia pelo país, pela sua beleza e cultura, pela classe trabalhadora, espelhada na sua identidade, mesmo que isso significasse ir contra a ideologia do seu partido, contra a maioria religiosa, contra o politicamente correcto. Para o seu espírito inconformado, a morte é pouco relevante. Como diria Saramago, "o fim duma viagem é apenas o começo de outra".

http://dylans.blogs.sapo.pt/

José Gonçalves Cravinho disse...

A Saramago o meu preito,
de homenagem e gratidão,
êle descreve a meu jeito,
o absurdo da Religião.